quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Tambores da Terra Repicam em El Hierro nas Canárias

A situação entre os habitantes da ilha já é de temor


Os habitantes de El Hierro começaram a desconfiar dos "pedidos de calma", após terem sentido os recentes terremotos desta quinta-feira. muitas pessoas que estão entrando em contato com autoridades e serviços público de informação, devido a preocupação diária com o aumento dos tremores de terra, cada vez mais, sentidos pelos habitantes de La Restinga. O golfo da cidade de Valverde, também começou a perceber os movimentos de terra.

 
De acordo com o Instituto Geográfico Nacional (IGN) dados diários coletados pelos intrumentos sismológráficos, a ilha de El Hierro, até 09h12min desta quinta-feira, foi atingida por um total de 42 terremotos, dos quais oito já passaram da magnitude 3 na escala Richter, de acordo com o Instituto Geográfico Nacional (IGN), o último terremoto foi registrado às 09h12m e foi de 3,8 graus de magnitude e detectado cerca de 15 km de profundidade, a sudoeste do município de La Frontera. Autoridades fizeram a evacuação de 53 pessoas, nesta terça-feira(27), devido ao perigo de deslizamentos de terra, causados
​​pelos tremores. Autoridades locais de Valverde, continuam agilizando o deslocamento da população, inclusive uma unidade hoteleira da fronteira foi retirada do local de risco.




Fonte1: http://www.diarioelhierro.com/
Fonte2: http://elhierrodigital.es/

Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes


Um Oceano Alienígena na Terra

Crédito: KeystoneUSA-ZUMA/Rex Features


Maré misteriosa e brilhante transforma litoral californiano em uma paisagem alienígena azul neon.


Poderia ser o desenlace sombrio, de um filme de ficção científica, com a silhueta de um homem solenemente assistindo, a um mar brilhante, com uma criança empoleirada no topo de seus ombros, mas isso não é truque de cinema - é um fenômeno natural causado por uma reação química chamada de bioluminescência, que acontece quando uma ocorrência natural de microrganismos na água é perturbada, causando uma reação química que emite luz. A reação é semelhante ao brilho dos vaga-lumes, que usam este artifício químico para atrair presas ou companheiros. Este brilho é emitido por muitos organismos submarinos, especialmente criaturas que vivem em profundidades onde a luz da superfície é menos provável de penetrar.

A visão fascinante foi capturada na "praia do luar" em Encinitas, Califórnia, ontem(28). O brilho noturno é o efeito colateral, de floração de algas vermelhas, conhecido como maré vermelha, que pode transformar todas praias vermelhas  e turvas durante o dia. 

À noite, ocorre um aumento do plâncton microscópico chamado dynoflagellates, que brilham no escuro quando perturbados por correntes ou ondas. Além disso o fenômeno, provoca um forte cheiro devido a decomposição das algas, plâncton e peixes.


Fonte: Daily Mail – UK
Leia a notícia em inglês AQUI
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Fluxo de Lava Nova Avançando pela Encosta Leste da Cratera do Vulcão Puu Oo no Havaí

Mudança de comportamento da lava preocupa autoridades
Cratera do Puu Oo - Havai
  
HONOLULU O Observatório Havaiano de Vulcões disse que um novo fluxo de lava está fluindo para baixo da encosta leste da Cratera do Puu Oo, ameaçando  a subdivisão do Royal Gardens, se os avanços de lava aumentarem. A lava começou a transbordar da borda oeste da cratera do vulcão “Puu Oo” na terça-feira. O Puu Oo tem dois lagos de lava ativos, um a leste e outro no lado oeste da cratera. A atividade de terça-feira estava no lado oeste e começou, a cerca de duas horas na terça-feira e continuou até 02h25 na quinta-feira, quando a lava conseguiu romper a borda leste da cratera. A nova fissura está alimentando um fluxo de lava que avançou rapidamente para o leste. Se o fluxo continuar, espera-se que mova-se em direção sudeste a Royal Gardens, nos próximo dois dias. A subdivisão foi invadida por lava, várias vezes e não tem acesso por estrada pavimentada. Ainda há pessoas que vivem lá, mas grande parte da área foi abandonada. Na semana passada, a lava fluiu por cima da borda da cratera, mas os fluxos pararam no fim de semana.


Informação: UBAlert.com



Comentário do Autor

Então... Está tudo normal, como os especialistas dizem, não é? Eu particularmente acho que não está nada normal.

Acordem técnicos, geólogos, sismólogos e "especialistas"!

Até quando vão, ficar tentando tapar o sol com peneira? O subsolo está derretendo e sendo empurado para fora e o pessoal continua a dizer que eventos como este são "normais" na região. Parem com este papo furado. Avaliem a situação e falem a verdade, antes que muita gente venha a ser vítima das suposições técnicas, cálculos e estatisticas. Nunca vi como os tecnólogos gostam disto -  "estatísticas". Eles adoram falar: "Basedo em análises estatísticas isto nunca aconteceu, portanto não será agora...". Acho melhor os senhores da razão e das "estatísticas", mudarem suas fórmulas e teorias, porque o mundo mudou, o clima mudou, o espaço mudou, agora só faltam vocês, que pelas "estatísticas", não mudam nunca!


Gério Ganimedes





terça-feira, 20 de setembro de 2011

Justiça Italiana Julga Cientistas Por Não Terem Previsto Terremoto

6 de abril de 2009: Uma foto aérea fornecida pela Polícia italiana,
mostra os destroços de um prédio que desabou em uma área perto 
de L'Aquila, região central da Itália, após um forte terremoto 
ter sacudido a região central da Itália

Um grupo de cientistas italianos foi a julgamento nesta terça-feira (20), por não prever um terremoto que matou mais de 300 pessoas no centro da Itália em 2009, apesar dos sinais de atividade sísmica terem aumentado na área.

Os sete réus - seis cientistas e um funcionário do governo - são acusados
​​de homicídio culposo em um caso, que alguns vêem, como uma acusação injusta da ciência.

Os promotores dizem que os moradores ao redor da cidade de L'Aquila, na montanhosa região de Abruzzo deveriam ter sido avisados para fugir de suas casas, nos dias antes do terremoto.

"Nós simplesmente queremos justiça", disse o promotor Alfredo Rossini, de L'Aquila. As pessoas lesadas, estão pedindo 68 milhões de dólares  em danos.

Os acusados
​​eram membros de um quadro que tinha sido contratado, seis dias antes do terremoto, para avaliar os riscos depois, que centenas de tremores abalaram a cidade universitária medieval. Nessa reunião, uma comissão analisou os dados dos tremores, de baixa magnitude e determinaram que a atividade “não era” um prelúdio para um grande terremoto.

O único, dos sete arguidos presentes, em audiência nesta terça-feira foi Bernardi De Bernardinis, um ex-funcionário da Agência de Proteção Civil. Os outros acusados
​​são os cientistas de topo como Enzo Boschi, ex-diretor do Instituto de Geofísica e Vulcanologia Nacional da Itália, assim como Claudio Eva, um professor de física na Universidade de Gênova, no norte da Itália.

"Este é um julgamento que se abre sobre bases muito instáveis. Você não pode colocar a ciência a julgamento", Alfredo Biondi, advogado de Eva, disse.

O caso foi adiado até 01 de outubro, quando o julgamento vai começar a questionar as testemunhas.

Os especialistas são acusados
​​de dar informações muito reconfortantes para os moradores que poderiam ter tomado medidas de protecção adequadas se eles tivessem sido devidamente informados.

No entanto, em uma carta aberta ao presidente italiano, Giorgio Napolitano, mais de 5.000 cientistas disseram que os réus enfrentam acusações criminais por não prever terremotos, mesmo que esta continue ser uma situação tecnicamente impossível.

Vincenzo Vittorini, um médico que perdeu a esposa e filha no desastre, disse: "Espero que este julgamento mude as mentalidades e conduza a uma maior atenção dada à comunicação sobre os riscos. Ninguém esperava para ser contada a hora exata do terremoto, queríamos apenas ser avisados de que estávamos sentados em uma bomba ", acrescentou.

Cerca de 120.000 pessoas foram afetadas pelo terremoto de L'Aquila, que também destruiu o centro histórico da cidade e igrejas medievais.


Fonte: Fox News 
Leia a notícia em inglês AQUI 
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes


Comentário do Autor

Deveria virar modismo, esta atitude dos moradores e da justiça italiana, pois estamos diante de um quadro, onde não nos é comunicado nada,  sobre a crescente onda de abalos sísmicos no mundo todo. O problema, é que se este julgamento, demorar muito, não vai adiantar nada depois que o mundo todo, virar sucata de concreto e aço retorcido, sem ninguém vivo nas grandes cidades.

Gério Ganimedes

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Cientistas dizem que “Falso Vulcão” pode resolver problemas do clima

Crédito: AP

 

Haverá uma visão inesperada no alto do céu, sobre o condado britânico de Norfolk, no próximo mês: Um enorme balão preso ao solo por uma mangueira gigante.

Não é algo comum, mas é o primeiro, pequeno passo, em um experimento que visa recriar o efeito de resfriamento de vulcões em erupção na atmosfera da Terra.

Cientistas e engenheiros das universidades de Bristol, Cambridge e Oxford estão por trás deste projeto de três anos, 2,5 milhão dólares, chamado de injeção de partículas estratosféricas de Engenharia Climática (SPICE).

 

O esquema vai avaliar a viabilidade da chamada gestão de radiação solar (SRM) imitando vulcões quando entram em erupção. As erupções podem tanto esquentar como esfriar o clima da Terra, dependendo de como a luz solar interage com material vulcânico.

 

O SRM trabalha com a hipótese de que algumas erupções expelem partículas na atmosfera superior, jogando algumas de volta para o espaço, carregadas de energia do sol, assim, fazendo o resfriamento da Terra.

 

O lider do projeto, Matt Watson, disse em entrevista que: "Em 1991, uma grande erupção do Monte Pinatubo expeliu cerca de 18 milhões de toneladas de SO2 (óxido de enxofre) a uma altitude de 30 km".

 

"Isso causou o efeito de resfriamento do clima global em cerca de meio grau durante dois anos."

 

Quilômetros de Mangueira

 

A experiência do próximo mês, a ser realizada em uma pista abandonada em Sculthorpe, no norte de Norfolk, irá bombear a água através de uma mangueira de 1 km em um balão de ar para testar o projeto de engenharia e os efeitos do vento.

 

Se não houverem percalços, a equipe pretende fazer mais testes de 1 km no próximo ano. Ela também irá trabalhar no cálculo e concepção de um projeto de balão potencial, em larga escala, com uma bomba de sulfatos e partículas de aerossóis em vez de água.

 

Isso exigiria um tubo de 20 km forte o suficiente para bombear sulfatos a um balão do tamanho do estádio de futebol Wembley - com o dobro da altura de um vôo de aviões comerciais. No entanto, o tamanho do balão e da força do tubo necessários, são sérios desafios de engenharia.

 

"Mesmo a fabricação de um tubo de 1 km de comprimento, é um desafio, mas estamos falando de uma mangueira mais forte do que qualquer uma construída antes", disse Chris Walton, consultor do projeto SPICE.

 

Alguns países estão a explorar soluções de geo-engenharia, como forma de controlar as mudanças climáticas, reduzindo a quantidade de luz solar que atinge a terra ou através da captura de gases de efeito estufa.

 

Esquemas potenciais incluem o uso de árvores artificiais para absorver dióxido de carbono, usando espelhos no espaço para reduzir a quantidade de luz solar que atinge a terra ou a captura de CO2 de usinas elétricas e enterrando-o sob a terra.

 

Os defensores dizem que essas soluções poderiam ser uma forma relativamente rápida, para controlar o clima, se houvesse uma mudança brusca, como a perda súbita do gelo do Ártico.

 

Os detratores dizem que o impacto de imitar a natureza ou a manipulação em larga escala ainda não é totalmente conhecida e tais projetos poderiam desviar recursos e atenção de tecnologias comprovadas.

 

A maioria destas soluções ainda estão longe de serem estabelecidas em larga escala.

"Com o forte apoio do governo em uma situação de emergência ... o mais rápido que poderíamos implantar este sistema é em duas décadas", Watson disse à Reuters, acrescentando que seria necessário um mínimo de 10 a 20 balões, a nível global, para reduzir a temperatura atmosférica em 2 graus.

 

 

Fonte: Fox News

Leia a notícia em inglês AQUI

Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes

 

 

Comentário do Autor

 

Agora fiquei preocupado. Já não basta, o que já está alterado naturalmente e vão começar a tentar corrigir com experimentos. Como diz um amigo meu “... Pior do que está, pode ficar, se começar a cavocar no entulho ...”.

 

Gério Ganimedes

 


domingo, 11 de setembro de 2011

Mudanças Titânicas no Planeta

El Hierro - Localização


Preocupações começam a vir a tona ...


Governo das Ilhas Canárias prepara-se para relocar toda a população de El Hierro, devido a um terremoto cataclísmico sem precedentes, que pode estar para acontecer.

Em outro lugar  ...

Anote Tong, o presidente da nação insular do Quiribati, no Pacífico, está tão preocupado, que as mudanças climáticas, possam destruir seu país, que está considerando idéias estranhas, como a construção de uma ilha flutuante.

A notícia de que o governo das Ilhas Canárias está planejando mudar toda a população de El Hierro, é devido a um aumento da atividade sísmica na região. Esta notícia, confirma ainda mais a escalada sem precedentes de mudanças severas e extremas na Terra.

Localizada ao largo da costa noroeste do continente africano, El Hierro, a mais pequena das ilhas Canárias, recentemente registrou mais de mil terremotos em apenas uma semana, medindo entre 1 e 3 na Escala de Richter e uma profundidade média de entre 5 e 15 quilômetros. Um precursor óbvio para um terremoto iminente e significativo ou ainda grande atividade vulcânica.

De acordo com El Hierro.com, “El Hierro tem o maior número de vulcões nas Canárias, com mais de 500 cones a céu aberto, mais de 300 abrangidos pelos movimentos mais recente e cerca de 70 grutas e galerias vulcânicas”.

Desde a ocupação espanhola, houve sete erupções. Mais de 200 anos se passaram desde a última erupção. A ilha de El Hierro emergiu do oceano depois de três sucessivas erupções vulcânicas e consequentes acúmulos e sedimentações,  ainda coroada, por um vulcão mais de 2.000 metros de altura.

A alguns anos atrás, durante cerca de 50.000 tremores sísmicos, um pedaço gigante da ilha foi rachada, desprendendo-se da costa e caindo no oceano o que causou um tsunami gigantesco que provavelmente levantou a mais de 100 m de altura e provavelmente chegou tão longe, como a costa norte-americana. Cerca de meio milhão de anos atrás, o vulcão, Taburiente, desmoronou com um deslizamento de terra gigante. Em um programa transmitido na BBC Horizon, no dia 12 de outubro de 2000, os geólogos apresentaram a hipótese de que durante uma erupção futura um deslizamento de terra semelhante poderia gerar um "megatsunami", ondas chegando entre 650 e 900 m de altura na região das ilhas. A gigantesca onda poderia irradiar por todo o Atlântico e inundar a costa leste da América do Norte, incluindo a costa americana, das Caraíbas e do norte da América do Sul, em apenas seis ou oito horas mais tarde.


Fonte/Crédito: Thealienproject
Link da matéria AQUI
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes


sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Blecaute Atinge Milhões de pessoas nos EUA e México

San Diego é a cidade mais afetada, com 1,4 milhão de

usuários atingidos

(Foto: Mike Blake / Reuters)


 

Notícia divulgada no portal G1

Blecaute atinge 2 milhões de pessoas nos EUA e México

As causas da falta de fornecimento ainda estão sendo investigadas. San Diego é a cidade mais afetada, com 1,4 milhão de usuários atingidos.


Da EFE


Mais de 2 milhões de pessoas no sul da Califórnia, Arizona e México ficaram sem luz elétrica nesta quinta-feira (8) por um blecaute. As causas da falta de fornecimento ainda estão sendo investigadas.

A cidade mais afetada é San Diego, onde 1,4 milhão de usuários estão sem energia. A companhia energética San Diego Gas and Electric qualificou o incidente de "um blecaute importante", em comunicado publicado em seu site. A empresa ainda alerta que a situação pode prolongar-se até a manhã desta sexta-feira (9).

Em entrevista coletiva, o diretor de operações da companhia, Mike Niggli, descartou a hipótese de um atentado, mas ressaltou que a causa da avaria ainda é desconhecida. "Acho que é a primeira vez que cai todo o sistema", apontou Niggli.

A falta de energia atingiu também o sul do condado de Orange, ao norte de San Diego, além de pontos do noroeste mexicano e Baixa Califórnia, assim como no Arizona, onde a companhia elétrica acredita que tenha acontecido a avaria.

A empresa, através de Twitter, apontou a onda de calor, com temperaturas em torno dos 40 graus em alguns pontos, como um dos fatores causadores do blecaute, que começou por volta das 15h40 locais.

O aeroporto internacional de San Diego está funcionando com seus próprios geradores de eletricidade para atender os voos que estão aterrissando e foram suspensas as decolagens até o retorno da eletricidade. A falta de energia também deixou inoperante a rede de semáforos nas zonas urbanas.


Fonte/Crédito: g1.globo.com
Link da notícia AQUI



Comentário do Autor

Parece que os efeitos das explosões solares das últimas 72 horas já estão mostrando o que podem fazer com nossa infra-estrutura de redes de alimentação elétrica. A previsão de chegada da onda de partículas era entre 9 e 10 de setembro e a carga mais forte de partículas ainda nem chegou perto.

Gério Ganimedes




quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O Ouro e a Platina da Terra Chegaram Aqui Através De Uma Chuva de Meteoros que Durou 200 Milhões de Anos




Cientistas revelaram hoje que todo o ouro e minério de platina do mundo veio do espaço sideral depois de uma chuva de meteoritos que pulverizou a Terra a mais de quatro bilhões de anos atrás. Os pesquisadores também descobriram que há bastante ouro e platina no núcleo da Terra, como na placa da superfície do globo, uma camada de inestimáveis quatro metros de espessura.

Estes depósitos enormes de ouro apareceram durante a formação da Terra, quando o ferro fundido afundou no seu núcleo, arrastando consigo grandes quantidades de metais preciosos. Isso deixou a Terra sem ouro e platina até que uma chuva de meteoros cataclísmicos bombardearam a Terra a 200 milhões de anos. A extraordinária quantia de 20 bilhões e bilhões de toneladas de matéria dos meteoritos, incluindo ouro e platina, se chocaram contra a Terra durante uma chuva de meteoritos que durou 200 milhões anos.

Geólogos da Universidade de Bristol descobriram, que esta chuva de meteoritos reabasteceram as reservas de metais preciosos da Terra.   Amostras de rochas encontradas na Groenlândia - que formaram-se na formação da Terra - continham uma proporção ligeiramente mais elevada do isótopo 182W de tungstênio em comparação com as demais rochas mais atuais. Portanto, rochas atuais encontradas devem ter vindo de uma chuva de meteoritos, que prova que o ouro de hoje e depósitos de platina vieram do espaço sideral.

O Dr. Matthias Willbold e o Professor Tim Elliott, do Grupo Bristol Isotope na Escola de Ciências da Terra, liderou a pesquisa.

Dr Willbold disse: Extrair o tungstênio a partir da análise de amostras de rochas e sua composição isotópica para a precisão requerida era extremamente exigente, dada a pequena quantidade de tungstênio disponível nas rochas. Na verdade, somos o primeiro laboratório mundial que tem feito com sucesso, tais medições de alta qualidade.” 

“Nosso trabalho mostra que a maioria dos metais preciosos, que nossas economias e muitos principais processos industriais são baseados foram adicionados ao nosso planeta por feliz coincidência, quando a Terra foi atingida por cerca de 20 bilhões de bilhões de toneladas de material asteroidal.”

Os metais a partir desses meteoritos foram fazendo a terra tremer agitado o manto do planeta por processos de convecção gigantescos. Estes mais tarde surgiram em continentes recém-formados, concentrados nos depósitos de minério que são extraídos hoje.

A pesquisa, que foi publicada na revista Nature, foi financiada pelo Natural Environment Research Council, e pelo Science and Technology Facilities Council de Deutsche Forschungsgemeinschaft.


Fonte: Daily Mail – UK
Leia a notícia completa em inglês AQUI

Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes - PQA





segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Incêndio Monstruoso no Texas - EUA


Crédito: AFP

Incêndio no Texas


Autoridades de Bastrop, Texas, relataram que um incêndio a sudeste Austin, Texas, destruiu cerca de 300 casas, forçou a evacuação de muitos outros e foi avançando sem controle nesta segunda-feira (05.09.2011), através de campos atingidos pela longa seca, que atinge a pecuária da região. As chamas avançaram por 25 quilômetros. O porta-voz do Serviço Florestal do Texas, Jan Amen, disse que o fogo já tinha consumido mais de 17.500 hectares desde que começou no domingo e foi já foi a maior áera queimada nos estados atingidos pela seca. Segundo as autoridades, o fogo estava indo longe da capital do estado, cerca de 48 quilômetros a noroeste, consumindo de forma tão feroz a vegetação e as árvores que foi considerado inseguro combater o incêndio a partir do solo.



Abrigos de emergência foram criados para as pessoas forçadas a evacuar suas casas. Cerca de 30 pessoas passaram a noite em uma igreja de Bastrop, esperando para saber se eles tinham perdido tudo.  

O Texas está suportando sua pior seca desde os anos 1950 e a ameaça do fogo tem sido exacerbada por fortes rajadas rajadas de vento arrematadas pela tempestade tropical Lee, a centenas de quilômetros para o leste.


Fonte da notícia: Fox News
Tradução e adaptação de texto e medidas: Gério Ganimedes
 



FAO estima que 750 mil pessoas possam morrer de fome na Somália nos próximos quatro meses


A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) declarou hoje (05/09) epidemia de fome na região costeira do sul da Somália, depois de levantamento realizado em agosto apontar que a desnutrição aguda e a alta taxa de mortalidade alcançaram a área. No total, quatro milhões de pessoas estão em crise, das quais 750 mil podem morrer nos próximos quatro meses se não houver resposta adequada.

Dezenas de milhares de famintos já morreram no Chifre da África desde o início da crise – a primeira declaração de epidemia de fome foi feita em julho -, crianças são maioria entre as vítimas.

Os dados indicam que as famílias pobres da região costeira enfrentam massivo déficit alimentar por causa de uma combinação de baixa produção agrícola e deterioração do poder aquisitivo. Além dos conflitos armados, a região sofre com a pior seca dos últimos 60 anos.


Fonte: onu.org.br
Link da notícia AQUI

 



sábado, 3 de setembro de 2011

Eventos Climáticos Interligados Preocupam Cientistas

Bloqueio Omega - crédito: NASA


A bolha de proteção da Terra parece estar agindo de forma anômala. Seriam pressões da magnetosfera ou alterações geomagnéticas ou as próprias diferenças térmicas do planeta que estariam causando uma alteração climática sem precedentes?


Segundo estudo da NASA, incêndios florestais na Rússia e inundações no Paquistão foram causadas pelas mesmas condições atmosféricas, embora os eventos acontecerem a 1.500 quilômetros de distância, um do outro.

Dois dos desastres naturais mais extremos de 2010 foram causados pelo mesmo evento climático. A onda de calor e incêndios letais na Rússia e as inundações no Paquistão, foram causadas por comportamento anormal em uma onda atmosférica de agosto de 2010, dizem os pesquisadores, mas o que exatamente fez com que essa flutuação atmosférica se desviasse para longe dos padrões, permanece desconhecida.

Dados a partir da NASA mostram que um sistema de alterações e bloqueios atmosféricos causaram tanto a onda de calor da Rússia como as inundações no Paquistão em agosto de 2010.

O dilúvio no Paquistão: Áreas totalmente submersas como em Shahdadkot na província de Sindh, Paquistão.



Rússia: Cerca de 300 incêndios florestais com a onda de calor provocada pelaOnda de Rossby.



O que é a Onda de Rossby?

A atmosfera transparente formada de gases,  pode não parecer como líquido, mas é precisamente assim que se comporta, a fina camada de ar que envolve o planeta. Como a Terra gira sobre seu eixo, enormes rios de ar se movimentam formando ondas - os cientistas chamam estas, de “Ondas de Rossby”. Estas ondas serpenteiam ao redor do globo na direção oeste.  Correntes no centro destas ondas, formam as correntes de jato, movimento rápido de colunas de ar que empurram sistemas meteorológicos de oeste para leste. As “Ondas de Rossby” não são uniformes. Elas tendem a ondular e ter zonas de baixa e alta pressão. Áreas de baixa pressão normalmente se desenvolvem como calhas nas ondas, enquanto a alta pressão forma áreas em seus cumes.  Parcelas de ar quente dos trópicos e ar frio dos redemoinhos dos pólos agem em torno das partes de baixa e alta pressão das ondas criando uma tapeçaria complexa de frentes quentes e frias que se encontram e interagem constantemente. Estas colisões entre frentes quentes e frias produzem as tempestades e precipitação de água. (Fonte: NASA)

O evento climático produzido na Rússia, transformou-se no verão mais quente da história do país, provocou cerca de US $ 15 billiões em danos e matou um número estimado de 56.000 pessoas em mais de 300 incêndios florestais.



A inundação no Paquistão, submergiu um quinto da massa terrestre do país total - cerca de 307.374 milhas quadradas e causou um número de mortes de cerca de 2.000 pessoas, embora pessoas diretamente afetadas, chegou a um número de 20 milhões,  com destruição de propriedades.

Enquanto a onda de calor russa começou antes das inundações no Paquistão, ambos os eventos climáticos atingiram um pico de aproximadamente o mesmo tempo.



A descoberta foi feita através da análise de dados do MERRA (Modern Era Retrospective analysis for Research and Applications) – Análise Retrospectiva para Pesquisa e Aplicações, um instrumento da Nasa para medir a temperatura da superfície da terra, bem como a intensidade da chuva e qualquer atividade de incêndios.

"A partir de dados do satélite da Nasa e análise dos ventos, podemos ver claramente a ligação entre os dois eventos", disse William Lau, um cientista atmosférico da Nasa e co-autor do relatório, que foi publicado no Jornal de Hidrometeorologia.

"Pense na atmosfera como uma membrana solta. Se você empurrar uma peça para cima, outra coisa tem que descer em outro lugar".

"Se você produz um alto em uma região, você produz uma baixa correspondente no outro."

Em condições de verão usual o jato empurra frentes meteorológicas através de Eurasia em quatro ou cinco dias. No entanto, em agosto de 2010, o padrão climático sobre a Rússia estagnou no que é conhecido como um evento de bloqueio Omega, prendendo uma crista ou cume de altas pressões no lugar por muito tempoO "bloqueio" dividiu a corrente de jato, retardando o progresso do padrão de tempo enquanto se movia de leste a oesteO cume de alta pressão lento sobre a Rússia prendeu uma massa de ar seco e quente que a superfície de terra, já queimada, transformou-se em um barril de pólvoraAo mesmo tempo, o padrão de bloqueio levou a ventos incomuns que causaram uma baixa pressão , forçando o ar frio da Sibéria para o Paquistão.


Fonte de Pesquisa: Daily Mail – UK
Leia a matéria em inglês AQUI 
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes
Em continuação ao trabalho de A.Mace


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...