sábado, 17 de dezembro de 2011

O Gigante Está Acordando ... Ouve-se o Rosnar do Yellowstone

Parque Nacional de Yellowstone
O Gigante Está Acordando


Mapeamento e fotos tiradas de satélites da NASA têm seguido a atividade subterrânea e geotérmica do Yellowstone, observando um calor profundo que está se armazenando a 6.438 quilômetros em direção ao núcleo da Terra, tendo áreas onde estes níveis de energia acumulada estão se tornando irregulares. O Yellowstone pode estar em apuros.

O Programa Landsat (http://landsat.org/) é gerido conjuntamente pela NASA e pelo Serviço Geológico dos EUA, começando seus serviços de sensoriamento remoto em 1972. Tornou-se parte do novo plano de monitoramento do Parque Nacional de Yellowstone em 2005. Além de sensoriamento remoto, o Landsat também usa reconhecimento aéreo, a fim de “observar todas as mudanças geotérmicas do Yellowstone de uma forma sistemática e científica.

Até recentemente, o calor proveniente da câmara de magma subterrânea do Yellowstone sempre foi o combustível para as mais de 10.000 características do vulcão: “Old Faithful” – Um dos maiores geysers do Yellowstone, fontes termais, geysers, manchas de lama, terraços e potes de barro, entretanto a NASA está relatando que as imagens do Landsat pegou alguns desenvolvimentos inesperados fora das fronteiras do parque, também captados por empresas de energia para além das fronteiras do parque.

“Se que o desenvolvimento geotérmico fora do parque começar, precisamos saber se isso vai fazer com que o velho escape de pressão do parque, pare de vomitar”, diz Rick Lawrence da Universidade do estado de Montana – EUA.

O parque tinha financiado um estudo sobre a atividade geotérmica inesperada, à procura de uma nova perspectiva sobre o evento em desenvolvimento. Os resultados já foram apresentados em San Francisco, Califórnia, na sexta-feira 9 dezembro, 2011, na conferência da União Geofísica Americana. Uma luz visível e os dados capturados pelos sensores sensíveis ao calor do Landsat foram usados
​​no estudo de Lawrence e seu co-autor, Shannon Savage.

 Terraços Minerva - Yellowstone



Para ter uma melhor visão do que estava acontecendo em Yellowstone, o as imagens do satélite Landsat, foram utilizados no estudo, pois estava circulando acima da área de 705 quilômetros, obtendo uma visão muito melhor de toda a área. Além disso, os satélites contém várias décadas de dados que poderiam ser usados para observar a superfície da terra e sua energia térmica. O que torna único o Landsat é que pode capturar a energia da região do Yellowstone, não só o calor que foi absorvido pela áerea através do sol, mas também a energia geotérmica a terra produz por si só. Imagens do satélite descobriram que um dos pontos geotérmicos, os chamados Terraços Minerva, entraram em colapso quando a água quente borbulhando abaixo deles parou de fluir. As imagens que foram observadas entre 1998-1999 mostraram que a correlação do calor e da energia na área. Neste período, um cidadão presenciou uma explosão de energia geotérmica ocorrer, causando arremessos de pedras por toda parte, mas em áreas onde era esperado manterem-se quentes, a temperatura realmente caiu temporariamente antes de voltar a subir.

O satélite Landsat permite que os cientistas reconheçam grandes mudanças que ocorrem na área de energia geotérmica, como no Yellowstone. No entanto, ninguém sabe o que está acontecendo, mas as pistas estão sendo encontradas em relação à interconexão dos eventos subterrâneos geotérmicos. O objetivo é a obtenção de maior resolução nas imagens, que hoje ainda são muito granuladas, nos futuros dados térmicos. O satélite Landsat da NASA, terá a missão de continuidade de dados e terá um novo instrumento térmico acoplado para utilização em 2013, para adicionar novos registros da geotérmica de Yellowstone.


Comentário do Autor


Não há mais como negar que as mudanças estão vindo a galope e a pressão geotérmica do planeta está em colápso. O que podemos fazer? No momento e na atual condição climática do planeta, absolutamente nada. A coisa toda já está feita. O mal já foi imposto à Terra, agora o que devemos fazer, é nos prepararmos com medidas e sistemas de logística de resgate e sobrevivência, pois se este vulcão acordar, não sera apenas, mais um belo espetáculo piroclástico, como o que o Vesúvio proporciona as pessoas, que vibram ao ver e que ainda dormem o sono profundo e que talvez, só acordem no momento do grande evento. 

Gério Ganimedes 

Fonte: Digital Journal  http://www.digitaljournal.com/article/315763#ixzz1gWCxMYqk

Colaboração: Emelee – Divisão de Pesquisas - PQA 
Tradução e adaptação de textos e medidas: Gério Ganimedes 
Direitos Reservados de Tradução – Projeto Quartzo Azul©©

12 comentários:

  1. Era só o que estava faltando...!!!!!

    ResponderExcluir
  2. É ontém dia 29/01/2012 houve outro tremor em yellowstone de 3,4, e agora está sempre tremendo por lá.

    ResponderExcluir
  3. Gério, gostaria da atualização dessa reportagem, saber como anda hoje o yellowstone. Tem alguma informação?
    Desde já obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Passando no Discovery..

    ResponderExcluir
  5. Alguém tem mais alguma notícia do gigante adormecido, pois os documentários no Discovery não falam mais nada de realmente novo. Vi um Filme hoje chamado super erupção, muito bom, mas muito assustador, pois a resolução do problema foi super fantasiosa. Sou químico, e na tecnologia e na ciência atual, não temos como parar esse gigante.

    ResponderExcluir
  6. muita besteiras escritas aqui em todas as partes! YellowStone é uma área geologicamente ativa a milhares de anos! Sempre houve tremores e gêisers lá! O que se passa é que de algumas décadas para cá há mais monitoramento e divulgação do que ocorre em YellowStone. É evidente que algum dia YellowStone entrará novamente em erupção e "varrerá do mapa" ao menos um terço dos EUA, no entanto, nao existe nenhuma evidência de que isto está próximo de acontecer!

    ResponderExcluir
  7. Concordo, que não existe nenhuma evidência de que isto está próximo de acontecer. Mas também há de concordar que não existe nenhuma evidência de que isto está longe de acontecer. Estão acontecendo fenômenos desde 2011 no YellowStone que ainda são um mistério para os cientistas, por isso eles estão estudando cada vez mais, principalmente para tentar descobrir com muita antecedência uma possível erupção.

    ResponderExcluir
  8. Os cientistas estimam que o vulcão Yellowstone explode a cada 600.000 a 700.000, ou seja, em média 650.000 anos, e se a última super erupção foi a 640.000 anos atrás, quer dizer que estamos pertos, como não ficar apavorado? Algumas pessoas que visitam lá dizem que há fontes mais quentes aparecendo lá em cima, e que o cheiro de enxofre é mais forte do que nunca. (Fonte CNEWS WordWatch). Será que autoridades estão escondendo informações para que a população não se desespere?

    ResponderExcluir
  9. Há alguns sites que estão monitorando o parque e liberão essa informação para o público:
    http://www.seis.utah.edu/req2webdir/recenteqs/Maps/Yellowstone.html
    http://vscmaps.wr.usgs.gov/yellowstone/
    Mas a dúvida é: Dá para confiar?

    ResponderExcluir
  10. Cadê o moderador deste blog? já enviei 3 comentários e até agora não foi publicado... Será que ele fugiu com medo do YellowStone? rssssss. Brincadeirinha

    ResponderExcluir
  11. Notícias recentes:
    http://www.youtube.com/watch?v=DS3RA7NdVKE

    ResponderExcluir
  12. Só falam que Yellowstone é um super vulcão adormecido, mas ninguém fala sobre Poços de Caudas, que fica lá no estado de Minas Gerais, ali é um caldeirão gigante só não possui geiser's , mas água borbulha e é muito quente!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...