segunda-feira, 26 de março de 2012

Granizo em Forma de Cachos de Uvas Brancas

Foto/crédito: Fox News - Science



Por Gério Ganimedes


Granizo do tamanho de “cachos de uvas”, no formato de flocos aglomerados, caiu em Oahu durante uma tempestade este mês e já foi confirmado pelos funcionários da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), como a maior pedra de granizo, já registrada para o estado do Havaí.

A medição final do granizo, que caiu do céu em nove de março de 2012, apontou para 10,8 cm de comprimento - 5,7 cm de altura e 5,0 centímetros de largura. O granizo recorde foi projetado por uma tempestade, chamada supercélula, na região de Oahu, célula esta, que também produziu granizo, das mesmas dimensões, em Kaneohe e Kailua. Talvez o mais violento de todos os tipos de tempestades. Estas supercélulas podem gerar ventos fortes granizo grande e até mesmo furacões, de acordo com a NOAA. Eles são mais comuns durante a primavera em todo o centro dos Estados Unidos. O NOAA recebeu vários relatos de granizo, com diâmetros de 5,0 a 7,6 cm e maior no Havaí durante a tempestade.
 
Os eventos e as provas estão ai, mostrando o que as variações bruscas do clima do planeta podem causar.


Fonte: Fox News
Leia a notícia em inglês AQUI
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes

sexta-feira, 16 de março de 2012

Posicionamento de Corpos Celestes, Seriam a Causa dos Ciclos e Fúria da Atividade Solar? Atualização com Comentário do Autor

Foto espetacular do grupo de manchas solares AR1429
Crédito: Alan Friedman

Por Gério Ganimedes

Como uma arca cheia, para alimentar teorias astronômicas com pouca base científica, o posicionamento de corpos celestes, conhecido da maioria dos leitores e teoristas, como ALINHAMENTO ASTRONÔMICO, poderia realmente, ser o responsável pelos Ciclos Solares de nossa estrela e seu significativo, perigoso e até mesmo destrutivo aumento de atividade? 

Para mim, creio que não restam mais dúvidas. A física explica e comprova, que todo objeto produz força de atração, por menor que seja o objeto em questão. Experiências simples, que podem ser simuladas facilmente pelos leitores, poderão demonstrar a magnitude destas forças incomensuráveis que toda a matéria do universo tem e como pode influenciar outros corpos simplesmente por sua proximidade. Podemos chamar de “Poder da Atração”. Esta força de atração ou força gravitacional é proporcional, ao tamanho de planetas, cometas, estrelas ou até mesmo pequenos asteroides.  No espaço como aqui na Terra ou em qualquer parte do universo, esta é uma espécie de regra básica para existir e mostrar a presença. Se pararmos para pensar, nós temos esta força dentro de nós e não é porque queremos, mas sim porque existimos. Ao nos aproximarmos de alguém ou de algum objeto esta força age de forma invisível, causando alterações no ambiente, nos objetos que nos cercam e até nas pessoas que interagem conosco. Podemos dizer que neste cenário estão envolvidas as conhecidas forças de ação e reação – atração e repulsão. Não precisamos formular ou enunciar fórmulas para isto. As forças existem e podemos sentir isso. O simples fato de nos deslocarmos, causa mudanças dentro do nosso espaço de interação, seja por nosso peso, tamanho, velocidade de deslocamento e as subsequentes forças que resultam – como o deslocamento de ar por exemplo. Entretanto no espaço, ar é uma coisa que não existe, atrito é algo tão pequeno e insignificante, que torna a inércia um aditivo dos resultados destas forças do poder da atração.

Então, se tudo exerce, de alguma forma, força de atração ou repulsão no universo, qualquer corpo num ambiente sem atmosfera e sem gravidade ou gravidade neutra, pode interferir mesmo estando longe uns dos outros? Sim pode. Mesmo que esta força seja infinitamente pequena estes corpos celestes deslocando-se, afastando-se ou aproximando-se entre si, causam mudanças entre eles e nos arredores. 

Nosso ciclo solar vem sendo estudado a centenas de anos e pode-se perceber quando se lê sobre este ciclo que ele tem um padrão de 11 a 12 anos. Onde quero chegar? No ponto que muitos já se deram conta. Algo cíclico se aproxima de nossa estrela e causa estas mudanças de comportamento. Mas quando os efeitos e reações mudam ou a atividade se intensifica podemos estar diante de um quadro diferente onde além das forças normais de movimentos cíclicos de corpos celestes, devemos ter em mente a possibilidade da presença de um novo agente externo que deixa sinais de seu Poder de Atração.

Muitos céticos, cientistas, astrônomos e especialistas da área, às vezes esquecem-se desta força elementar, quando gritam aos quatro cantos, que estas teorias alarmistas de alinhamentos celestes são infundadas e sem embasamento científico. Meus queridos especialistas, vocês esqueceram-se de uma das leis mais fundamentais da vida no universo? O poder da atração ou força gravitacional, que existe desde o átomo, quando não de partículas menores que ele? Então não é assim, dizer que estas “teorias” estão longe de terem força ou significado. As forças existem e causam sim mudanças, mesmo que insignificantes. 

Acredito que nosso sol, e espero aqui responder aos leitores que me questionaram, está sendo afetado não só por corpos celestes que fazem parte de seu ciclo regular temporal, mas por algum astro que tem um ciclo muito maior que nossa existência e que está de volta exercendo um efeito ou força de atração que anda deixando nossa estrela emocionada e nervosa.

Concluindo o que aqui, queria deixar para meus leitores, proponho a todos que tiverem interesse, tempo e o mínimo de dinheiro, em fazer uma simples experiência dentro de suas próprias casas. Comprem duas bolas de isopor destas para decorar festas. Duas bolas de tamanho diferente, de preferência uma pequena e outra bem maior. Utilizando-se de um pedaço de linha que vá do teto, até mais ou menos a altura do experimentador, facilitando assim o experimento, prenda a linha no teto e na bola de isopor (pequena) usando fita adesiva (Obs. não use alfinete), o resultado será um planeta de “mentirinha”, no meio de seu quarto ou sala. Feche completamente as aberturas, portas e janelas, retire crianças, adultos e animais de estimação do lugar e desligue todo e qualquer aparelho eletrônico. Para melhorar o grau de isolamento do experimento, utilize um calçado com sola de borracha. Depois de tudo isso pronto, pegue a outra esfera de isopor (maior) e prenda um pedaço de linha pequeno na esfera, também com fita adesiva (um pedaço pequeno de fita), procure relaxar e fazer movimentos suaves, até que a pequena esfera ou planetinha, preso ao teto esteja totalmente parado. Agora vem a parte interessante. Aproxime calmamente a bola de isopor grande, segurando-a pelo fio e vá lentamente aproximando-a da esfera pequena (Obs. Não encoste uma bola na outra e faça movimentos suaves na aproximação). Repare, que assim que você estiver com a esfera maior próxima da menor, nosso hipotético planeta, que está preso ao teto, irá reagir, aproximando-se da esfera maior que o está atraindo - força gravitacional. Este é o poder da atração (mesmo que incomensurávelmente pequeno) ou força gravitacional, a qual todos os objetos deste universo possuem – uma força elementar. Entretanto, quanto maior a massa, densidade ou tamanho, maior é esta força e as consequências ou reações dela - o que sugere que, se nosso imenso sol, está alterado além da conta, podemos ter algo bem grande, passando ou se aproximando pela vizinhança. 

Bom experimento! Espero ter explicado e demonstrado de forma simples, o que muitos, insistem em dizer que não existe, que é mito ou apenas mais uma teoria conspiratória de quem não tem o que fazer ...


Comentário do Autor

Para os críticos de plantão, que não perderam tempo e já enviaram comentários, referentes ao experimento, quero deixar bem claro aqui que este experimento foi criado, para exemplificar como a força de objetos maiores e de mais massa, atua sobre os menores ou de menos massa. Chamei de "força gravitacional", a resultante da esfera maior sobre a menor "simbólicamente", numa situação hipotética criada. A verdade é que todo corpo maior tem força de atração atuante sobre um de corpo menor, entretanto pode acontecer, neste caso em particular de termos um outro fator ou força atuando, gerada pela  "Carga Eletrostática" do material utilizado no experimento. 

"Existe algo mais importante do que a lógica: a imaginação. Se a idéia é boa, a lógica deve ser jogada pela janela." 
(Alfred Hitchcock)

"Aquilo que guia e arrasta o mundo não são as máquinas, mas as idéias.
(Victor Hugo)

"De nada valem as idéias sem homens que possam pô-las em prática."
(Karl Marx) 

Fiquem Bem

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

quinta-feira, 15 de março de 2012

Premonições ou chegada iminente de uma Nova Era?

Ilustração: Cena do Filme 2012


Por Gério Ganimedes

Pode ser apenas uma onda de sentimentos intensos, agitando as mentes humanas, com o turbilhão causado pelas profecias, talvez mal interpretadas, de civilizações antigas, entretanto não é assim que pensam algumas pessoas. 

De acordo com notícia publicada no portal Correio do Povo

Prefeito teme tsunami e aguarda ''nova era''
Premonições motivam preparativos para ''uma grande transformação''

Apesar de não existir qualquer evidência científica, o prefeito de São Francisco de Paula, na Serra gaúcha, Décio Colla, acredita que a costa do Rio Grande do Sul poderá ser "atingida por um tsunami". Segundo ele, "as placas tectônicas sul-americana e africana se chocariam provocando uma onda gigante capaz de causar estragos irreparáveis nos municípios que estão no nível do mar"

O fenômeno estaria relacionado com diferentes teorias de que o mundo irá passar por "uma grande transformação" em 2012. O prefeito cita o Calendário Maia e premonições. "Ninguém diz que é o fim do mundo, mas todos falam das mudanças que irão ocorrer. Iremos entrar em uma nova era. Embora traumática, será uma evolução", diz o prefeito, que é médico e atende no hospital do município.

Continue lendo a notícia na fonte AQUI


Comentário do Autor

E como diria o Chapolin Colorado: "Sigam-me os Bons ..."



Fonte/crédito: Correio do Povo
Colaboração: Carla - PQA
Introdução e montagem de ilustração: Gério Ganimedes

 

sexta-feira, 9 de março de 2012

Oceania na Mira dos Terremotos


© foto: SXC.hu

Por Gério Ganimedes

Um forte terremoto subaquático ocorreu na parte sul do oceano Pacífico, ao largo da costa da República de Vanuatu em 09 de março de 2012. De acordo com especialistas e sismólogos, a magnitude do tremor foi de 7,1 graus na escala Ricther. O epicentro foi numa profundidade de aproximadamente 36 km no fundo do mar. De acordo com autoridades não houve relatos de tsunami nem de outras consequências do abalo sísmico. As ilhas de Vanuatu (mais de 80) se encontram na Micronésia, o que seria o coração da Oceania. Abaixo delas, ocorre a junção das placas tectônicas do Pacífico e Australiana, a uma grande profundidade, passa uma falha que é contornada por uma cordilheira de montanhas vulcânicas. Terremotos e tsunamis são bastante comuns nessa área. 

Comentário do Autor

Comum, mas não "tão comuns" nesta magnitude e alta incidência. Os eventos parecem estar aumentando, observadas as ocorrências e os índices mais altos dos abalos na região. As placas estão dando indícios de grandes movimentos e levam a uma análise prévia de que o Japão venha a sofrer, o tão esperado e previsto pelos cientistas, mega terremoto do Japão.

Fiquem bem

Fonte: Voz da Rússia
Adaptação de texto e comentário: Gério Ganimedes
Direitos Reservados - Projeto Quartzo Azul©©

domingo, 4 de março de 2012

Escapamento de Vapor das Profundezas Norte Americanas (Steaming Plumes)

Steaming Plumes


Por Gério Ganimedes


Por intermédio de uma de nossas colaboradoras e pesquisadoras, encontramos um assunto no mínimo curioso e quem sabe que fornece sinais de que estamos próximos de uma iminente explosão vulcânica em série nos EUA. 

De acordo com um vídeo que foi postado no Youtube, uma região do continente estadounidense, uma série de vulcões adormecidos, em cidades como Sulphur Springs, Hot Springs, e Crater of Diamonds / Murfreesboro, estão aparecendo em imagens de satélite, visíveis do espaço, “Plumas” de vapor saindo do solo, por curtos períodos de tempo, todavia em regiões bem visiveis, iluminadas pelo sol, o que descarta assim, fonte de fogo de outros tipos.

O que podemos ter neste caso, é um escapamento de gás natural, proveniente do subsolo, e de quem sabe, uma possivel reação em cadeia de atividade vulcânica na região. 

Um evento geológico fumegante de algum tipo. O vapor proveniente nesta área poderia ser possívelmente de um vulcão antes dormente e agora em atividade, atingindo os lençois de água do subsolo e as empurrando para a superfície por válvulas naturais de escape, assim como Geisers que ocorrem comumente no Yellowstone - EUA. 

Isso aumenta as chances de um grande evento sísmico ao longo da Zona de Nova Madrid, uma conhecida área de abalos sísmicos no continente norte americano e pode de fato, ser a própria causa do aumento recente de terremotos no meio oeste americano. 

As evidências estão aparecendo e podem vir a indicar uma fratura na crosta por onde a pressão está escapando e demonstrando que pode ocorrer uma iminente, terrível e gigantesca erupção vulcânica associada a um mega terremoto naquele local.

Seria este o prenúncio das antigas previsões científicas para esta região do território norte americano? Vamos aguardar as atividades e acompanhar a “fumaceira”, pois como diz o ditado: “Onde há fumaça, há fogo”.


Gério Ganimedes
Colaboração: Emelee
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

sexta-feira, 2 de março de 2012

Parasita “Alien” Ameaça a Vida dos Peixes do Mediterrâneo




Por Gério Ganimedes

Peixes do Mediterrâneo sob a ameaça de um terrível parasitaAlien”' que come as suas línguas, em seguida, vive em suas bocas.


Um horrível parasita tipo "Alien", que come as línguas de peixes, substituindo-as na boca de suas vítimas, está se espalhando no Mediterrâneo. Quase metade dos peixes de algumas áreas está infectada com este parasita maldito, que nada através das brânquias dos peixes jovens e em seguida ocupa a posição no topo da língua, crescendo e alimentando-se do sangue de suas vítimas. Os pesquisadores descobriram que o parasita "cerathotoa italica" - chamado 'Betty' pelos cientistas, está se disseminando rápidamente em águas de grande potencial de pescados.


Embora o parasita não apresente nenhum risco para os seres humanos, impede o crescimento dos peixes e reduz sua expectativa de vida.

Os pesquisadores descobriram que 'Betty' prosperou em áreas protegidas de pesca. Em uma área protegida perto de Espanha, apenas 30% dos peixes estavam infectados, já em águas italianas de pesca, 47% tinha sido vítima do parasita.

O Dr. Stefano Mariani, da Universidade de Salford, disse: “Esta é mais uma prova de que a exploração humana sobre as populações de peixes tem efeitos adversos e de longo alcance. Áreas com regulação deficiente têm peixes menores, mais jovens e, como estamos demonstrando agora, maiores níveis de infestação por parasitas mais nocivos”.

Segundo os pesquisadores o parasita é horrível. Fazendo lembrar-nos do protagonista sinistro do cinema “Alien – O Oitavo Passageiro”. É um animal altamente adaptado e especializado, muito bem sucedido. Infelizmente, o excesso de pesca perturba o equilíbrio do parasita e do hospedeiro, interferindo com todo o eco-sistema.

O Dr Salford Stefano Mariani e seus colegas do University College de Dublin e da Universidade de East Anglia inspecionaram estoques dePargo Listrado” em duas áreas do Mediterrâneo. Uma área em território espanhol, protegida da pesca e outra em águas italianas de intensa atividade pesqueira. Os pesquisadores também descobriram que o parasita causou efeitos piores sobre os peixes de áreas densamente povoadas e atividade pesqueira alta. Enquanto a infecção parasitária atrasa o crescimento e a condição do peixe italiano, não teve muitos efeitos detectáveis ​​sobre a fisiologia, das espécies coletadas na região espanhola preservada.


Fonte: Daily Mail – UK
Leia a notícia em inglês AQUI
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

quinta-feira, 1 de março de 2012

Voo Virtual Sobre o Gelo

Crédito: NASA


Por Gério Ganimedes


A NASA criou um incrível vídeo de “sobrevoo virtual”, numa rachadura de aproximadamente 30 quilômetros de extensão, na geleira Pine Island a partir de varreduras 3D a laser.

Em outubro de 2011, pesquisadores da NASA fizeram a primeira e mais detalhada medição em 3D aérea do nascimento de um grande iceberg. A equipe usou as medições capturadas através de um dispositivo de imagem 3D a laser, para criar um modelo 3D da rachadura na região gelada de Pine Island e um incrível vídeo foi construido para mostrar como seria voar através desta imensa fenda no gelo.

Clique no icone
 e veja a animação


A animação foi criada por uma compilação de fotografias aéreas, geradas pelo Sistema de Mapeamento Digital.  O conjunto é composto por uma câmera com a capacidade de resolução extremamete alta, dados muito precisos de geolocalização do mapeador Aéreo Topográfico e uma varredura a laser com altímetro que mede mudanças na elevação da superfície do gelo.
Ambos os instrumentos foram levados no avião de pesquisas DC-8 da NASA, os dados foram coletados em 26 de outubro de 2011.

A trinca formada na plataforma de gelo formada é um dos mais rápidos movimentos das geleiras ocidentais da Antártida. A rachadura da animação se estende cerca de 30 quilômetros, com uma largura média de 73 metros. O cânion variou de 50 a 58 metros de profundidade se aproximando do nivel do Mar de Amundsen.


Fonte: Daily Mail – UK
Leia a matéria em inglês AQUI
Tradução e adaptação de texto: Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...